valor-do-condominio

Como saber o valor do condomínio de um apartamento na planta? Entenda como é calculado e o que está incluso neste serviço

O valor do condomínio comprado na planta é um dos detalhes mais importantes para quem está pensando em comprar um apartamento. Será cobrado todo mês, portanto, o morador precisa estar ciente do custo total para se organizar financeiramente.

Por trás dos números, existem explicações e, no caso do valor do condomínio, não é diferente. Uma série de fatores define quanto será cobrado e é importante que você os conheça.

O condomínio pode ser visto apenas como um gasto a mais, porém, esse dinheiro viabiliza a gestão do local e o bem-estar de todos. Mas cuidado: condomínio caro não quer dizer que o empreendimento é completo e possui as melhores opções de lazer. 

Quando bem administrado, um condomínio pode oferecer muito aos seus moradores e ainda assim, num valor justo. Se você quer saber tudo sobre a taxa de condomínio, está no caminho certo. Neste artigo, abordamos os seguintes tópicos:

 

  • O que é a taxa de condomínio?
  • Quais fatores influenciam o valor do condomínio?
  • O que está incluso no valor do condomínio?
  • Quando começa a cobrança da taxa para apartamento na planta?
  • Como é a cobrança do valor do condomínio?

 

Quer ter a certeza de que está pagando um valor justo no condomínio e entender tudo sobre a taxa? Siga a leitura!

 

O que é taxa de condomínio?

A taxa do condomínio é um valor que todos os moradores pagam, mensalmente, para permanecer no local, podendo aproveitar as vantagens oferecidas pelo empreendimento. O valor recolhido serve para custear as contas e pagar os profissionais que prestam serviço ao condomínio.

Algumas pessoas conseguem encontrar bons apartamentos por valores acessíveis, porém, com o valor do condomínio mais alto. Nesses casos, é comum ter dúvida se, realmente, vale a pena adquirir a unidade. A nossa recomendação é que você leve em consideração o perfil da família e o que o condomínio em questão oferece a todos.

E um detalhe importante: mesmo se o proprietário não está morando no apartamento e ele esteja alugado, por exemplo, a taxa do condomínio precisa ser paga. A inadimplência deve ser evitada, pois prejudica os demais moradores e a gestão do condomínio.

 

Quais fatores influenciam o valor do condomínio?

A taxa serve para manter a infraestrutura do prédio em pleno funcionamento e para o condomínio ter uma reserva financeira. O pagamento é obrigatório, conforme o Código Civil Brasileiro. Um proprietário não pode argumentar, por exemplo, que não utiliza as áreas comuns, pois elas estarão inteiramente à disposição quando ele precisar. 

Não é uma regra que condomínios completos, com variadas opções, como piscinas para adultos e crianças, espaço pet, salão de festa, salão de jogos e espaço gourmet tenham taxas maiores.

Esses benefícios, claro, impactam no valor, porque são espaços que precisam de constante manutenção. Mas a oferta das áreas comuns não é o único fator que influencia na taxa. Veja, a seguir, tudo que está incluso no valor do condomínio.

 

O que está incluído no valor?

 

#1 Funcionários

Essa é uma das despesas que mais pesa no valor do condomínio. Em alguns empreendimentos, o pagamento dos funcionários pode representar a metade da despesa. Além dos salários, os trabalhadores recebem décimo terceiro, INSS, FGTS, férias e seus benefícios, com os recursos do condomínio.

Se o prédio tem portaria 24 horas, terá que arcar com o salário dos porteiros. A equipe de limpeza e vigilância também. E o síndico, se tiver salário, também será pago pelo condomínio.

 

#2 Despesas administrativas

Aqui estão incluídas todas as despesas relacionadas à administração. É o caso, por exemplo, das taxas bancárias, gastos com Correios e cartórios. Caso o síndico tenha o benefício da isenção de pagar o condomínio, essa despesa também será repassada aos moradores no rateio.

 

#3 Água e gás dos apartamentos

Naqueles condomínios em que não há medidores individuais de água, o pagamento desse recurso também será somado na conta total para o rateio. Se também não for individualizado, o mesmo se aplica ao valor do gás.

 

#4 Contas do condomínio

Entre as principais despesas no valor do condomínio estão as contas do prédio, isto é, energia elétrica, pagamento de IPTU e a conta de água dos espaços comuns. O montante é dividido entre todos os moradores. Se o condomínio dispõe de internet na área comum, para acesso dos moradores e visitantes, o valor também será incluído na taxa.

 

#5 Manutenção da estrutura

A manutenção de toda estrutura do condomínio, como elevadores, piscinas, salão de festas e quadras esportivas também é uma despesa incluída na taxa. Devem entrar na conta os materiais que serão utilizados na manutenção do local, entre os quais, produtos de limpeza e os utensílios para manutenção das piscinas. O ISS, imposto decorrente dos serviços prestados ao condomínio, também entra nos custos.

 

#6 Despesas extraordinários

Algumas situações exigem do condomínio o pagamento de despesas que o fundo de reserva não suporta. Esses gastos costumam ser definidos nas assembleias e, como servem para trazer melhorias a todos, também são diluídos no valor do condomínio. 

Por isso, os especialistas ressaltam a importância da participação dos moradores nas assembleias do condomínio. Além de contribuir nas discussões, eles conhecem os gastos extras do prédio.

 

#7 Fundo de reserva

Todo condomínio precisa de um fundo de reserva para solucionar eventuais problemas. O fundo pode servir, por exemplo, para arrumar peças hidráulicas, realização de reparos nas instalações e reformas não planejadas.

Mas, para que essa espécie de poupança exista, ela deve ser incluída no valor do condomínio. Cabe ressaltar que o fundo de reserva não é uma regra. Alguns administradores de condomínio preferem não trabalhar dessa forma.

 

Quando começa a cobrança da taxa para apartamento na planta?

Quem compra um apartamento na planta tem, na entrega das chaves, o momento mais esperado. Mas essa etapa, repleta de alegria e satisfação, também traz uma série de obrigações, principalmente legais. 

É normal, principalmente para novos proprietários, que o momento traga algumas dúvidas. Entre as questões mais comuns, o proprietário se pergunta: quando começo a pagar o condomínio?

Algumas construtoras iniciam a cobrança antes da ocupação do imóvel, outras na expedição do Habite-se. Essas não são as formas mais comuns, mas não existe previsão legal em relação à cobrança do valor do condomínio para apartamentos adquiridos na planta.

A questão não está regulada nem mesmo no Código Civil. Os especialistas, no entanto, recomendam que a taxa recaia sobre o comprador somente a partir da posse do imóvel. É o momento em que o proprietário realmente passa a utilizar os serviços do condomínio.

 

Cobranças indevidas

A recomendação dos especialistas para cobranças indevidas é que o proprietário busque, primeiramente, uma solução extrajudicial. Determine um prazo e, somente se não chegar a um acordo satisfatório, acione um advogado.

Há casos em que o proprietário informa a cobrança irregular e consegue o dobro em restituição. Embora não haja legislação explícita sobre a forma de entrega de um condomínio, as construtoras costumam fazer do jeito formal, com uma Assembleia Geral de Instalação.

Os especialistas são praticamente unânimes no entendimento da cobrança relativa ao valor do condomínio somente após a entrega oficial. Vale lembrar que a cobrança ocorre mesmo quando os donos não moram na unidade.

 

Como é a cobrança do valor do condomínio?

O valor do condomínio é cobrado de todos os moradores porque o cálculo é feito levando-se em consideração o número de unidades do empreendimento. Caso o proprietário deixe de pagar, a administradora vai adotar as medidas cabíveis. Recusar o pagamento ou persistir na inadimplência pode levar o proprietário a ter o nome negativado. Além disso, a cobrança pode ser feita pela via judicial.

Recentemente, a taxa de condomínio passou por modificações relativas justamente à inadimplência. Segundo a lei, é possível recuperar valores atrasados. Inicialmente, o síndico envia a cobrança pelos Correios, com um AR (Aviso de Recebimento). Trata-se de uma advertência para que o morador regularize a situação. No passado, era exigida a notificação pessoal.

A ação efetiva de cobrança também mudou. A partir de agora, a dívida de um condômino é um título executável. Com isso, a administradora consegue receber o pagamento mais rápido. Pelas novas regras, o morador com o condomínio atrasado tem três dias para acertar a dívida, caso contrário, a Justiça pode penhorar bens móveis da pessoa, inclusive o próprio apartamento.

Está vendo como é importante conhecer e honrar o valor do condomínio? Por isso, você deve pesquisar e comparar opções antes de fechar qualquer negócio. A compra de um imóvel é uma grande realização, mas você deve deixar a pressa de lado para tomar uma decisão consciente e benéfica.

 

Escolhendo uma construtora de confiança

Para fechar o melhor negócio, sobretudo no caso dos apartamentos que ainda estão na planta, é preciso se atentar aos detalhes. O valor do condomínio deve ser cobrado somente quando receber as chaves, portanto, questione o valor estimado à construtora. As empresas sempre trabalham com esse cálculo.

Outro cuidado importante que você deve ter na compra de um imóvel é escolher uma construtora com credibilidade. Empresas que estão há mais de uma década no mercado, com histórico de excelência, devem ser priorizadas para que todos os detalhes sejam acertados desde o início.

 

MHaus: O maior empreendimento residencial e comercial da Grande Florianópolis

A Construtora MTF lançou neste ano, o maior empreendimento residencial e comercial da Grande Florianópolis, o MHaus. São mais de 20 espaços de lazer exclusivos para os moradores das unidades residenciais.

Um grande diferencial do empreendimento, embora ele possua diversas áreas de lazer, é o baixo custo condominial. Confira a baixo um estudo feito por uma empresa especializada em administração de condomínios desse porte, a Start Condomínios, o custo condominial de cada tipo de imóvel.

 

– Apto final 01 (3 quartos com 3 suítes): R$ 300,00

– Apto final 02 (3 quartos com 1 suíte): R$ 245,00

– Apto final 03 (2 quartos com 1 suíte): R$ 197,00

– Apto final 04 (2 quartos com 1 suíte): R$ 197,00

– Apto final 05 (2 quartos com 1 suíte): R$ 197,00

– Apto final 06 (2 quartos com 1 suíte): R$ 197,00

– Apto final 07 (3 quartos com 1 suíte): R$ 250,00

– Apto final 08 (1 quarto): R$ 130,00

 

Além destes valores, terá um adicional de R$ 28,00 para vaga única e R$ 56,00 para vaga dupla. Além disso, os valores acima não são válidos para apartamentos com terraço.

Esses valores foram calculados baseados nos custos orçados para o ano de 2021 e podem sofrer alterações se houver aumento de preços e/ou mudanças operacionais feitas em assembleia.

Gostou desta novidade? Então conheça o empreendimento e confira mais detalhes.

 

comprar imóvel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *