taxa-selic-e-o-mercado-imobiliario

É vantajoso investir em imóveis mesmo na alta da Taxa Selic?

A Taxa Selic e o mercado imobiliário estão amarrados. Um depende totalmente do outro e, por isso, quem pretende investir em imóveis precisa acompanhar as variações. Em 2021, a Selic está em curva de alta e isso reflete no mercado imobiliário em um aspecto principal. Você sabe qual?

O artigo de hoje é para esclarecer as relações entre taxa selic e mercado imobiliário. Para isso, vamos explicar:

  • O que é taxa selic;
  • Como a selic afeta o mercado imobiliário;
  • O que motiva a taxa selic aumentar ou diminuir;
  • O que muda com alta na Selic;
  • Vale a pena investir em imóveis mesmo com a alta da Selic.

Quer fazer o investimento certo e garantir a expansão do seu patrimônio? Então, siga a leitura!

 

O que é a taxa selic?

No dia 4 de agosto, o Copom (Comitê de Política Monetária) elevou em 1% a taxa Selic. Após encontros nos dias 21 e 22 de setembro, nova alta de 1%, levando o índice para o atual patamar de 6,25%. Mas por que a taxa selic é tão importante no país e por que ela deve ser monitorada por você, que pretende investir em imóveis? 

Pois bem, a Selic é a sigla de Sistema Especial de Liquidação e de Custódia e essa taxa. Em síntese, ela é a referência dos juros que são cobrados no Brasil. Ou seja, toda operação que envolve crédito é impactada pela Selic.

O BC (Banco Central) tem, na Selic, um mecanismo para controlar os índices inflacionários no Brasil. A próxima reunião do Copom será nos dias 26 e 27 de outubro. A última, em 2021, será no dia 8 de dezembro.

Evolução da selic em 2021:

 

  • 2% em 20 de janeiro;
  • 2,75% em 17 de março;
  • 3,5% em 5 de maio;
  • 4,25% em 16 de junho;
  • 5,25% em 4 de agosto;
  • 6,25% em 22 de setembro.

 

Como a taxa selic afeta o mercado imobiliário?

Investir em um imóvel exige um valor significativo de recursos. Com isso, a maioria das pessoas precisa recorrer ao financiamento bancário – impactado pela taxa Selic.

Em outras palavras, a taxa selic e o mercado mobiliário tem no juros do financiamento sua principal relação. Quando a taxa que referencia os juros está baixa, os brasileiros financiam imóveis com crédito mais barato, o que é extremamente vantajoso.

De agosto de 2020 a janeiro de 2021, por exemplo, a Selic estabilizou na casa dos 2%, uma baixa considerada histórica. 

A expectativa, até o fim do ano, é que a taxa selic fique ainda perto dos 7%. Isso é metade dos 14% que registrava nos anos 2016, por exemplo. Cabe ressaltar que, quando a Selic sobe muito, o mercado adota cautela em relação ao mercado imobiliário. Ganham importância, então, investimentos como renda fixa.

Os atuais 6,5% da Selic já não são os desejáveis 2% do início do ano. Mas estão distantes dos juros elevados que o país registrou há poucos anos.

 

O que motiva a taxa selic aumentar ou diminuir?

O mercado imobiliário está ligado à Taxa Selic que, por sua vez, está ligada à inflação. Quando a inflação está acima da meta, espera-se que o COPOM decida elevar a taxa Selic. Por outro lado, se a inflação está controlada e abaixo da meta, o normal é que o Copom opte pela queda da taxa Selic.

Conforme matéria publicada na Agência Brasil, após alta de 0,87% no IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) de agosto, a inflação chegou a 9,68% no Brasil, considerando os últimos 12 meses.

Ou seja, inflação em alta, Selic em alta.

 

O que muda com a alta da taxa selic?

A taxa selic não pode ser vista somente no curto prazo. Observe, sempre, as variações da Selic a médio e longo prazo. Vale ressaltar que o crédito imobiliário é uma modalidade de longo prazo, pois os financiamentos podem durar até 35 anos.

As instituições financeiras avaliam, sim, a taxa de juros, mas não é somente isso. Além da situação do momento da concessão, também considera a tendência comportamental ao longo dos anos. 

Especificamente no mercado imobiliário, os aumentos da Selic podem piorar as condições de crédito e diminuir a atratividade para investimentos. Mas isso não deve acontecer de forma significativa em 2021 e 2022.

 

Devo investir em imóveis mesmo na alta da Selic?

 

Selic ainda distante dos dois dígitos

Sim! Mesmo em curva ascendente, considerando toda relação da Selic com mercado imobiliário, este é um momento propício para quem pretende financiar imóveis. As taxas ainda são consideradas baixas.

Além disso, a estimativa para 12 meses é de uma selic com apenas um dígito. Ou seja, os financiamentos continuam atrativos.

 

Busca pela moradia certa

As restrições sociais, ainda vigentes no Brasil, levaram as pessoas a buscar imóveis que possam atender melhor às novas necessidades. 

Ou seja, há uma busca intensa no mercado de imóveis e isso, gradativamente, eleva os preços dos empreendimentos.

 

Momento propício

Considerando o histórico de juros no Brasil, o momento é propício para o financiamento de imóveis. Em alguns meses, ainda que a taxa suba mais, a circunstância vai continuar favorável. Mas, claro, a decisão depende também da capacidade de renda do investidor e do futuro dela e do país.

 

Mercado imobiliário

O momento do mercado imobiliário é positivo. Muitas construtoras estão investindo em novos imóveis para atender a demanda da população, que mudou de hábitos em função da pandemia. Com isso, a tendência é que os preços dos imóveis comecem a subir em algum momento. Ou seja, o cenário de hoje, com taxa selic mais baixa do que há alguns anos, ainda é propício para o investimento em imóveis.

Gostou da leitura? Agora você conhece as relações da taxa selic com o mercado imobiliário e pode investir com segurança. Além de comprar imóveis na planta, pode priorizar o investimento em um imóvel quando a selic está mais baixa. O blog da MTF sempre tem conteúdos relevantes sobre imóveis. Nos acompanhe e fique por dentro das novidades! Até a próxima.!

 

comprar imóvel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *