Glossário do mercado imobiliário: os 25 termos mais importantes que você deve conhecer

Alienação fiduciária, contrato de gaveta, tabela price. Se você já investiu em imóveis, pode ter ouvido ao menos um desses termos. Eles pertencem ao glossário do mercado imobiliário, ou seja, uma série de palavras específicas do meio.

Se você tem pouco conhecimento no ramo, é compreensível que não domine os jargões. Se é um expert no mercado imobiliário, pode relembrar alguns conceitos agora. O artigo de hoje é para explicar os termos mais usados, difíceis e descomplicar.

Conhecendo bem os detalhes do mercado imobiliário, você terá mais facilidade para negociar. Além disso, é o tipo de aprendizado que evita surpresas caso você queira vender ou comprar um imóvel. Em outras palavras, entender esses termos vai trazer mais efetividade nas suas buscas e decisões de compra e investimento. Siga a leitura!

Glossário do mercado imobiliário

Alienação fiduciária

O primeiro termo, alienação fiduciária, é importante no financiamento de imóveis. Através deste instrumento, a propriedade do imóvel só é repassada ao comprador depois que ele quita a dívida. O tomador tem a posse do bem e pode utilizá-lo. O credor, por sua vez, tem a propriedade. Quando conclui o pagamento, o tomador finalmente tem a posse e a propriedade.

 

Alvará

O alvará é um documento emitido por órgãos públicos autorizando ações em determinados espaços. Pode funcionar viabilizando a incorporação ou construção de um projeto arquitetônico. O alvará também é necessário em mudanças estruturais, por exemplo, quando se quer aumentar ou diminuir áreas construídas.

 

Amortização

Mais um termo do glossário do mercado imobiliário relacionado aos financiamentos. A amortização é uma parte da prestação do financiamento imobiliário para abater o saldo devedor. Consiste no pagamento de parte das parcelas, sem juros, para diminuir a dívida.

 

Apartamento padrão

Também chamado de apartamento popular, é um imóvel com 60 a 80 metros quadrados e, no máximo, uma vaga na garagem. É um apê com planta comum e espaço bem definido. Tem sala, cozinha, banheiro e dois quartos. Uma família com dois filhos e um carro pode viver muito bem em um apartamento padrão.

 

Área comum

Área comum é todo espaço do condomínio que é compartilhado e pode ser acessado pelas pessoas que moram ou trabalham no local. Entre os mais comuns, pode-se destacar piscina e academia, além dos corredores, elevadores e a portaria.

Área útil

A área útil é a parte utilizada pelo proprietário do imóvel. Consiste na soma das áreas internas de todos os cômodos do imóvel. Na conta, são consideradas as áreas dos pisos do imóvel. A espessura das paredes não entra no somatório.

Avaliação imobiliária

Esse termo do glossário do mercado imobiliário está relacionado ao valor dos imóveis. A avaliação imobiliária é um relatório que vai indicar quanto ele vale. Deve ser feita por profissionais especializados, como engenheiros, arquitetos ou agrônomos. Para a avaliação, é necessário vistoriar o imóvel e o entorno, além de uma pesquisa sobre propriedades semelhantes na região.

Averbação

A averbação do imóvel é a formalização de alterações na propriedade – nesse caso chamadas de subjetivas – ou alterações no imóvel – objetivas. A averbação é feita no Cartório de Registro de Imóveis. São exemplos: mudança no estado civil do proprietário, ou eventual troca no nome da rua onde ele está localizado. A averbação garante segurança para o proprietário quando em validações referentes ao imóvel.

Caução

Quando aluga um imóvel, o inquilino precisa fornecer garantias ao dono para contornar eventuais imprevistos no pagamento. A caução, muito comum no Brasil, é uma dessas garantias. O dono do imóvel pode exigir o depósito antecipado de até três aluguéis. Seguindo a Lei do Inquilinato, o proprietário é quem define sua proteção locatícia. A caução, assim como outras garantias que podem ser escolhidas, deve constar no contrato.

Clube de morar

Os clubes de morar, também chamados de condomínio clube, representam o mais novo conceito do que é viver bem. Possuem estrutura de clube, podem ser ainda mais completos e funcionam sabe onde? Dentro do condomínio onde você mora. Os clubes de morar possuem ampla área de lazer. Elas são equipadas, por exemplo, com soluções modernas e sustentáveis, como bike share, rooftop, spa, pet place e pet care.

Consórcio imobiliário

Uma instituição financeira sempre está à frente de um consórcio imobiliário. Essa instituição, que é administradora do consórcio, reúne pessoas físicas interessadas em comprar o imóvel. Todo mês, essas pessoas guardam uma quantia em dinheiro. Assim como no consórcio de veículos, o valor pago é usado para compra de um imóvel, que é repassado a um dos integrantes do consórcio. 

Contrato de gaveta

O contrato de gaveta é um procedimento comum, que envolve riscos e não pode ser o procedimento final. Trata-se de um contrato firmado entre comprador e vendedor, que detalha a negociação do imóvel e as condições do trâmite. Esse documento, entretanto, não é oficial, porque não tem registro público. Por esse motivo, o contrato de gaveta não traz segurança jurídica.

Crédito imobiliário

Esse deve ser um dos termos mais populares do glossário do mercado imobiliário, afinal, muitos brasileiros não conseguem comprar imóveis à vista. O crédito imobiliário é toda linha de empréstimo dos bancos que servem para financiar a compra ou reforma de bens imobiliários. Pode ser usado tanto em casas e apartamentos, como em terrenos.

DCE

Se você já encontrou um anúncio imobiliário com o termo DCE e não sabe o que significa, fim do problema. É a sigla para dependência completa de empregada, ou seja, o imóvel é composto de quarto e banheiro disponíveis para uma empregada doméstica.

Escritura

A escritura, este sim um documento público, oficializa as tratativas de compra e venda dos imóveis. Também descreve em que condições a negociação ocorre. É, portanto, um dos documentos necessários no investimento em casas ou apartamentos. É justamente o ato jurídico em que o vendedor transmite a posse do bem ao comprador. Para ter validade, a escritura deve constar no Serviço de Registro de Imóveis local.

Fiador

O fiador é o garantidor dos contratos de terceiros, tanto em caso de financiamento como empréstimo. É o responsável legal pelo valor integral do contrato, incluindo taxas e juros. Antes da assinatura do contrato, o fiador passa por avaliação de crédito e tem sua renda analisada. Em geral, a pessoa tem um imóvel quitado para ser aprovado. O fiador só é acionado quando não há formas de cobrar o devedor diretamente. 

Habite-se

Mais um documento importante no setor imobiliário. O habite-se autoriza uma pessoa, ou sua família, a entrar no imóvel que acabou de ser construído ou foi reformado. O documento é emitido pela prefeitura, após vistoria realizada por fiscais de obras. Basicamente, eles comparam a construção com o projeto. Acesso aos serviços públicos, entre os quais, energia, gás, luz, esgoto e bombeiros, também são verificados.

Hipoteca

Muito popular nos Estados Unidos, a hipoteca está relacionada a empréstimos. Em resumo, uma pessoa pode hipotecar bens imóveis como garantia de pagamento da dívida contraída. Quando a pessoa deixa de cumprir o compromisso, quem emprestou o dinheiro pode executar a hipoteca. Ou seja, pode tomar o imóvel hipotecado a fim de sanar a dívida.

Imóvel na planta

Outro termo bem popular no dicionário imobiliário. Um imóvel na planta é aquele disponível para compra, mas que ainda está em fase de construção. O nome é esse porque, nessa etapa, a melhor representação do futuro imóvel é o desenho da planta. A vantagem de investir em imóveis na planta é que são vendidos a preços mais baixos.

ITBI

Uma das siglas imobiliárias mais importantes, o ITBI significa Imposto de Transmissão de Bens Imóveis. É um tributo relacionado à compra e venda de imóveis, que é paga pelo comprador. O montante é cobrado pela prefeitura e o valor do imposto varia de município para município. Em alguns locais, também é chamado de Imposto de Transmissão de Bens Inter-vivos.

Matrícula do imóvel

A matrícula funciona como um registro do imóvel com todas as suas características. Informa localização, tamanho, desenho da planta e até histórico de proprietários se o imóvel já teve mais de um. O documento fica no Cartório de Registro de Imóveis. Seu número nunca muda, mesmo quando o imóvel é repassado.

Seguro fiança

Algumas instituições financeiras, ou companhias de seguro, disponibilizam o seguro fiança substituindo o fiador tradicional. A diferença é que o locatário contrata uma apólice de seguro. A apólice será usada se o inquilino falhar no pagamento do aluguel ou para eventuais reparos no imóvel.

Tabela Price

Foi criada em 1711 pelo matemático Richard Price para calcular aposentadorias e pensões. Depois, foi incorporada pelo mercado financeiro, que criou diversos modelos de empréstimo baseados na Tabela Price. Usada no financiamento imobiliário, tem parcelas sempre do mesmo valor, o que acaba sendo ótima opção para quem prefere controlar bem os gastos.

Vistoria de imóvel

A vistoria é uma inspeção que revela se o imóvel está de acordo com as especificações do contrato de compra ou locação. É realizada principalmente por peritos indicados por bancos e instituições financeiras no financiamento de imóveis ou em obras. A vistoria requer o pagamento de uma taxa pelo proprietário da casa ou apartamento.

Zoneamento Urbano

Para fechar nosso glossário do mercado imobiliário, explicamos o que é zoneamento urbano. Trata-se da divisão que determina os tipos de construção autorizados em áreas específicas da cidade. O zoneamento define o que é residencial, comercial e misto, além das áreas industriais, de preservação cultural e de mananciais. O zoneamento é definido no plano diretor de cada município.

Gostou da leitura? Acesse o blog da Construtora MTF para ler mais conteúdos sobre o mercado imobiliário. Até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *